Solstício Inverno. Ritual Xamânico com Ayahuasca.

Em várias culturas ancestrais, o Solstício de Inverno era celebrado para o renascimento e a renovação das esperanças, para novas promessas de vida e realizações. Os nativos norte americanos celebram a “Renovação da Terra”. Os Festivais Solares aconteciem em datas fixas, marcando pontos de transição entre os solstícios e os equinócios. As cerimônias sazonais não marcam apenas a jornada do Sol, mas também o ponto crítico das estações, dos ciclos agrícolas e da vibração planetária, refletindo em nossos sentimentos e ações. No inverno podemos olhar para o nosso interior e encontrar essa fonte de luz e de regeneração. A noite anterior ao Solstício do Inverno é a noite mais escura, simbolizando a gestação no ventre, antes do nascimento. A Direção Sul (Norte para o hemisfério Norte) é a direção associada ao inverno e ao totem do Búfalo Branco.

Equinócio Outono. Ritual Xamânico.

Em várias culturas ancestrais, no Equinócio de Outono era celebrado a conclusão da colheita e a ação de graças pela abundância, com ênfase em um futuro retorno desta. Período de recolhimento e agradecimento por tudo o que tivemos. Também é um período muito favorável para que algo morra em nossas vidas, exemplo: vícios, padrões comportamentais, apegos, empregos, relacionamentos.

Solstício de Verão. Ritual Xamânico com Fogueira.

Em várias culturas ancestrais, no Solstício de Verão era celebrado a fertilidade e a abundância da Terra, é um período de fecundidade e de festejar por tudo o que é bom na vida. É época de crescimento rápido, de plenitude, mas também uma fase de preparação para a escuridão que está por vir.